Geração Alpha: entenda as crianças que nasceram a partir de 2010

6 min. leitura

Criança da Geração Alpha
Ouça o post
Voiced by Amazon Polly

Essas crianças já nasceram conectadas, vivem rodeadas por tecnologia e estão desenvolvendo uma nova visão de mundo: conheça a Geração Alpha!

“Na minha época…”

Quem nunca ouviu essa frase dos pais ou dos avós? E você já se pegou a repetindo para seus filhos?

É incrível pensar como o mundo muda em curtos períodos de tempo. A cada geração, mudam as formas de se relacionar, de se comunicar, até mesmo de trabalhar e de enxergar a realidade.

Nos últimos anos, as mudanças vêm se tornando cada vez mais rápidas e profundas. Isso está ligado aos avanços tecnológicos e influencia diretamente nossos filhos, que antes mesmo de andar já estão conectados e interagindo com aparelhos digitais. Como compreender e educar essas crianças, que chegam a um mundo já tão diferente do que conhecemos quando pequenos?

Muitos estudos já foram realizados sobre a chamada Geração Alpha, que engloba todas as crianças nascidas a partir de 2010. A seguir, você vai descobrir as principais características dos Alphas e compreender melhor como a visão de mundo desses pequenos influenciará o futuro de todos nós.

As diferenças entre as gerações

Para começar, é importante entendermos o que significa “geração”. Em geral, essa palavra se refere a um conjunto de pessoas nascidas em determinada época. Por terem crescido em um mesmo contexto cultural, social e econômico, essas pessoas compartilham muitas características em comum.

No século passado, as gerações foram divididas com base em acontecimentos históricos marcantes, e costumavam ser recortadas em períodos de 25 anos. Entretanto, o avanço da tecnologia fez com que as mudanças se tornassem cada vez mais rápidas, e por isso hoje a duração de cada geração é menor.

A seguir, conheça as principais características das últimas gerações para compreender melhor as diferenças entre elas e a geração Alpha:

1960 – 1980: Geração X

A chamada Geração X inclui pessoas nascidas após o chamado “Baby Boom”, período em que houve um grande aumento na taxa de natalidade após o final a Segunda Guerra Mundial. Foi marcada pelo questionamento de costumes e valores, e viu nascer os primeiros computadores. No Brasil, essa geração vivenciou acontecimentos como as “Diretas Já” e o fim da ditadura.

Algumas das principais características da Geração X são: preocupação em fazer carreira, busca por seus direitos, maturidade e a busca pela individualidade sem abandonar a convivência em grupo.

1980 – 1995: Geração Y

Filhos da Geração X, a Geração Y viveu desde cedo em um mundo globalizado. Também conhecidos como Millennials, eles passaram pelo intenso desenvolvimento da tecnologia a popularização da internet em 1990. Cresceram em uma época de muita prosperidade econômica, e as crianças em geral tiveram condições financeiras melhores do que seus pais, tendo acesso a TV a cabo, computador e videogame. 

Algumas das principais características da Geração Y são: otimismo, imediatismo, hábito de fazer várias tarefas ao mesmo tempo, gosto por novas tecnologias, busca por propósito e flexibilidade no trabalho, preocupação com o meio ambiente e com causas sociais.

1995 – 2010: Geração Z

A Geração Z é muito familiarizada com as tecnologias móveis, que estão conectadas com todas as partes de suas vidas. Os primeiros integrantes dessa geração já são adultos, e nunca viram o mundo sem a presença de computadores, tablets e celulares. Em relação à carreira, essa geração não acredita na ideia de exercer uma mesma função para o resto da vida. 

As principais características da Geração Z são: ansiedade extrema, responsabilidade social e desapego de fronteiras geográficas. São inovadores, criativos, conectados e desejam criar de forma colaborativa. 

Geração Alpha: uma nova visão de mundo

As crianças nascidas a partir de 2010 formam a mais nova geração, chamada Geração Alpha. São os filhos da geração Millennial: já pertencem a um mundo tecnológico e conectado desde os primeiros meses de vida, sendo conhecidos como nativos digitais. 

Para a Geração Alpha, não existe mais separação entre o digital e a “vida real”. Isso faz com que tenham novas formas de se relacionar, de aprender e de experimentar o mundo à sua volta.

Características da Geração Alpha

A Geração Alpha é a mais influenciada pela tecnologia até agora: seu marco de início em 2010 se deve ao lançamento do primeiro iPad, e desde então os pequenos interagem com o mundo através da tecnologia praticamente desde seu nascimento. Essas crianças se sentem mais confortáveis navegando com um tablet ou falando com um assistente de voz do que a maioria dos adultos de hoje.

Outra característica da Geração Alpha é ter nascido de pais mais velhos, em geral em unidades familiares menores, com lares com somente um filho. Com a rotina corrida, aproveitar cada momento juntos é essencial e por isso estão se fortalecendo as relações de troca entre pais e filhos. Na verdade, os Alphas valorizam muito mais as experiências do que os objetos e bens materiais. 

Eles querem inventar, interagir e se conectar sempre. Em geral, são crianças atentas e observadoras. Muito se fala sobre os Alphas serem a geração mais inteligente de todas, e esta percepção se deve em parte por essas crianças estarem inseridas em um ambiente com estímulos constantes. 

A tecnologia, as múltiplas telas e a conexão 100% do tempo faz com que os Alphas sejam bombardeados com estímulos visuais, sonoros e interativos em qualquer lugar e momento. Isso gera uma aceleração no desenvolvimento de certas habilidades, como fazer mais de uma tarefa ao mesmo tempo e estabelecer conexões entre diferentes assuntos, mas por outro lado pode prejudicar outras capacidades, como a concentração e a paciência.

Mais livres, versáteis, questionadores e hiperconectados: a Geração Alpha chegará aos 2 bilhões de pessoas no mundo até 2025 e promete trazer mudanças ainda mais profundas para a sociedade.

Leia também: Crianças e tecnologia – 5 dicas para uma relação saudável

A visão de mundo dos Alphas

Tudo ao redor dos Alphas, começando por seus pais, está constantemente conectado à internet. A tecnologia é uma extensão de sua vida e se tornou a principal forma de conhecer e interagir com o mundo.

A principal mudança da geração anterior para essa é que os Alphas não vêem mais os dispositivos digitais como ferramentas. Ao invés disso, enxergam a tecnologia como parte integrada de suas vidas, ou seja, para eles é impossível imaginar um mundo sem ela. Dessa forma, a separação entre o mundo físico e digital não faz mais sentido.

Uma outra mudança fundamental na visão de mundo dos Alphas é sobre a igualdade: eles enxergam cada vez menos barreiras entre as pessoas, enxergando a diversidade com naturalidade – para eles, ser diferente é normal. Separações como “coisas de menino” e “coisas de menina” caem por terra para essa geração, em que as crianças apresentam comportamentos menos limitados pelos estereótipos. 

Para as meninas, o mundo já não é visto somente em cor de rosa. Elas se identificam cada vez mais com as características de personagens que antes pertenciam apenas ao território dos meninos, passando a se interessar por temas e estilos tradicionalmente masculinos.

Ao mesmo tempo, os pais Millennials participam mais das funções da casa e da criação dos filhos, trazendo uma nova referência de paternidade que influencia o comportamento dos meninos.

Leia também: Como criar meninos e meninas para a igualdade?

O desafio de educar filhos da geração Alpha

As crianças da geração Alpha já nasceram com as respostas para praticamente qualquer pergunta ao alcance de um toque no Google. Um grande desafio para as famílias hoje é saber como educá-los em meio a tantas transformações. Como garantir para os pequenos a diversão e a leveza da infância, e ao mesmo tempo prepará-los para esse mundo novo? É claro que ainda não há uma resposta para essa pergunta tão complexa, mas já é possível apontar alguns caminhos. 

Segundo uma pesquisa do Globosat, as crianças Alphas reconhecem os pais como seus maiores ídolos – mais do que qualquer super-herói ou Youtuber famoso. Isso mostra que mesmo as atividades mais corriqueiras, como brincar ou jantar juntos, são oportunidades valiosas. O tempo em família gera vínculo afetivo em uma época de poucas conexões fora das telas, dando suporte importante para o desenvolvimento emocional das crianças.

Outro ponto relevante é que os Alphas aprendem fazendo: para eles, o conhecimento é adquirido através da experiência e as escolas precisam oferecer ambientes que estimulem esse tipo de aprendizagem. É essencial incentivar na geração Alpha o pensamento crítico e a habilidade de resolução de problemas, para que eles consigam compreender e transformar uma realidade tão complexa.

Essa geração vai conviver com tecnologias cada vez mais avançadas de inteligência artificial, e o seu papel no mundo será justamente trazer o diferencial humano. Portanto, habilidades como a criatividade, a empatia e a inteligência socioemocional se tornarão cada vez mais valiosas, devendo ser estimuladas desde a infância. 

Assim, a geração Alpha será capaz de trazer o melhor de si mesma para a construção de um futuro que nenhuma outra geração conseguiria imaginar. 

Leia também: A importância da leitura para a Geração Alpha

Receba dicas e novidades por email:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *